sábado, 22 de julho de 2017

Deixai-os crescer juntos até à ceifa

Reflexão de Georgino Rocha

Jesus quer mostrar à multidão os segredos do Reino que anda a anunciar. E aproveita para dar aos discípulos explicações complementares em ordem a consolidar a sua formação. As parábolas são um recurso pedagógico frequente entre os mestres dos judeus. Oferecem oportunidades únicas que Jesus sabiamente aproveita. O campo onde, juntos, crescem até à ceifa o trigo e o joio, a sementeira de um e de outro, a relação que se estabelece entre ambos, a reacção sensata e oportuna dos servos contrariada pela atitude paciente do dono constituem elementos preciosos que dão rosto à mensagem a transmitir. E pelo rosto se vai ao coração dos segredos de Deus.

O final das parábolas é, normalmente, surpreendente. O desfecho é provocante. A novidade aparece interpelante. A narração vai deixando elementos que despertam os ouvintes para o inesperado e provocador. E surge a pergunta desestabilizadora: O Deus em quem acreditamos é realmente o Deus de Jesus, o verdadeiro “Abbá”, como Lhe chamava? Aquele que manifesta traços de pai ingénuo como no caso do filho pródigo, de proprietário injusto que paga por igual a trabalhadores com horários diferenciados, de pastor com critérios tão estranhos que abandona noventa e nove ovelhas para ir em busca da que se perdeu?

A compreensão das parábolas exige a conversão do coração, sede da sabedoria que vem do Espírito e se manifesta na sintonia de atitudes com as de Jesus de Nazaré. Talvez, por isso, haja muita gente que ouve e não entende ou procura “dar-lhe a volta” para não alterar nada na sua vida e ficar de consciência tranquila. Não estaremos nós também nesta hipótese?

O trigo bom surge na parábola para realçar o papel do joio que simboliza o mal no mundo e as perturbações que desencadeia com o seu cortejo daninho e destruidor. O mal é uma realidade tremenda que perpassa em toda a humanidade. Constitui o maior acicate para a reflexão inquieta do espírito humano. Reveste muitas formas, algumas muito refinadas, e belisca a liberdade de quem busca sinceramente a verdade.

Jesus constata o facto e na parábola introduz o tema dizendo apenas: Um inimigo, enquanto todos dormiam, veio de noite, semeou o joio no campo e foi-se embora. Resumo feliz com os ingredientes principais que nos ajudam a ter uma primeira resposta: O joio/mal é inimigo do homem; a sementeira faz-se de noite enquanto a sonolência adormece os sentidos e sobretudo a lucidez responsável; o campo proporciona-lhe o húmus indispensável ao crescimento, tal como ao trigo; o ir-se embora não significa ausência, mas ocultamento, pois continua muito activo no joio daninho que pretende asfixiar o bom trigo, a seara farta que se deseja para bem de todos e de cada um, que se pressente no pão da família, no dom levado ao altar para ser eucaristia do Senhor.

O joio anda por todo o lado; também no teu coração. E Deus não te arranca o coração, mas perdoa sempre para que possas arrepender-te e tentar reorientar a tua vida. Confia em ti e espera que cresças e amadureças, que abras os olhos e descubras o que não queres ver: a trave que te cega, enquanto vês bem o cisco que limita o olhar do teu vizinho.

O joio anda por todo o lado; também na família e na Igreja, no mundo e  na sociedade, na política e na cultura. Deus não intervém directamente, não inutiliza a liberdade humana, nem a responsabilidade de quem tem funções especiais, seja na área da educação ou da comunicação social, seja na rede virtual ou nos cartazes publicitários.

Crescem juntos até à ceifa. O mal não tem a última palavra. Esta será dada na avaliação final, com a sentença de eliminação radical. “Apanhai primeiro o joio e atai-o em molhos para queimar”, diz o dono do campo, o Senhor da seara. Só ele faz o julgamento definitivo. O trigo bom será recolhido no celeiro de Deus, onde são guardadas as provisões para a sua família. Então ecoará por toda a parte a alegre notícia: “Felizes os que morrem no Senhor, pois as suas obras os acompanham”.


Entretanto, há que combater o mal com o bem e anunciar o valor dos pequenos passos. A agressividade multiplica a violência. E os novos ditadores espreitam constantemente. Os discípulos missionários têm de aprender a arte divina da não-violência activa, o domínio de si e não a cobardia, o diálogo e não a confrontação, a objecção de consciência, a resistência civil, a tolerância ética. Não te deixes vencer pelo mal, vence o mal com o bem porque Deus é assim. Diz o livro da Sabedoria na primeira leitura de hoje: “Agindo deste modo ensinastes ao vosso povo que o justo deve ser humano e aos vossos filhos destes a esperança feliz de que, após o pecado, dais lugar ao arrependimento.”

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Estado-maior General repara a viatura do camarada Amílcar Lopes Cabral para fazer parte da museu das FARP’s

O General Biaguê Na N´Tan sonha ter um exército exemplar na sub-região e ver uma Guiné-Bissau saudável, unida com seu lindo passado…

O Chefe de Estado-maior General, General Biaguê Na N´Tan que desde a sua nomeação a este cargo tem estado a levar acabo uma serie de actividades de reorganização e reestruturação das forças armadas com fins de adequa-las as novas realidades. Entre essas actividades figuram a organização de curso de formação local e externa dos quadros, as obras de construção e reabilitação das infraestruturas, a aquisição de equipamentos através a cooperação técnico-militar com países parceiros, a produção agrícola de cereais e tubérculos.

Neste âmbito, estão em curso as obras de reabilitação de alguns edifícios da Fortaleza d´Amura entre os quais aqueles destinados a albergar o futuro museu militar e a esplanada onde serão parqueadas as armas pesadas usadas durante a luta de libertação nacional. No mesmo contexto, o General Biaguê Na N´Tan que sonha ter um exército exemplar na sub-região e ver uma Guiné-Bissau saudável, unida com seu lindo passado, decidiu reparar a viatura do camarada Amílcar Cabral que se encontrava há muitos tempos abandonada num dos quartéis da capital.

Os trabalhos de bate-chapas (restauração) iniciados no princípio de Julho do corrente, estão a ser executados por um técnico nacional.

É de salientar que entre 2014 e 2017, o Estado Maior General das FARP procedeu a reabilitação do refeitório d´Amura, as casernas da polícia militar, as instalações do clube das FARP, que pretende transformar num hotel, os edifícios do campo agropecuário de Fã Mandinga e neste momento, está em curso em Amura, algumas obras já referidas no texto. Construiu de raízes novas instalações da intendência militar.

Na área de produção as forças armadas confecionaram cadeiras, mesas e bancos para os refeitórios das diferentes unidades militares, produziram grandes quantidades de arroz, introduziram novas boinas para cada ramo.

De Sublinhar que, se tudo correr bem, a Fortaleza d´Amura terá todas as suas instalações reabilitadas oferecendo assim mais espaços físicos para o funcionamento dos serviços do Estado Maior General das FARP e do primeiro museu militar da Guiné-Bissau. Com as FARP’s

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Guiné-Bissau: Elementos da Brigada Acção Fiscal visitam Chefe de Estado-maior

Trata-se dos elementos da alfândega que tinham participado no último curso de qualificação que decorreu durante três meses em Cumeré onde foram promovidos aos postos de oficiais subalternos e sargentos.

O Chefe do Estado Maior General das Forças Armadas, General Biaguê Na N´tan mostrou-se na ocasião a sua inconformidade pela má aplicação da estrutura orgânica da Brigada de Acção Fiscal, divido ao constrangimento de patentes, permitindo que um oficial subordina-se à um outro com as mesmas patentes, sendo um Chefe de posto e o outro seu adjunto. A este respeito, o General promete dar o seu máximo para que esta situação seja resolvida para permitir o desmembramento desta brigada e o seu rápido crescimento.

Garantiu ainda mais cursos de género, de modo a dar oportunidade aqueles que não tiveram a sorte de participar neste último e também, regularizar junto ao tribunal militar a situação de anos de serviço, que é a lei e o direito que qualquer militar possuam.

Alferes Fode Mané, chefe da equipa mostrou-se muito satisfeito pela recepção calorosa que lhe for reservada e agradeceu ao Chefe do Estado Maior General das Forças Armadas que, embora já não dirige a brigada fiscal mas que nunca perdeu de vista nesta casa. Caso concreto foi graças a sua amabilidade que, uma parte dos nossos elementos foram enviados para frequentar o curso de formação de oficiais em Cumeré.

Alferes Fodé Mané solicitou a integração de sua brigada em mais formações do género como uma das formas de reestruturação e melhoramento no funcionamento das actividades da Brigada de Acção Fiscal.

Quanto oTenente Juliana Agostinho Sario, a única rapariga da equipa graduada ao posto de tenente mostrou a sua profunda gratidão pela oportunidade dada pelo Estado Maior General das Forças Armadas para adquirir conhecimentos em matéria da liderança e comando de equipa, facto que lhes permitiu considerarem-se agora como militares capazes de enfrentar qualquer exigência contemporânea.


Por fim, Juliana prometeu pôr em prática os conhecimentos adquiridos para o melhoramento e desenvolvimento da sua unidade. Com as FARP’s

Capturadas 11 pirogas do Senegal na pesca ilegal nas águas da Guiné-Bissau

As autoridades da Guiné-Bissau anunciaram hoje que capturaram 11 pirogas de pescadores do Senegal que se encontravam a pescar ilegalmente em águas guineenses, mas quatro conseguiram fugir depois de terem feito refém um agente guineense.

Mário Fambé, coordenador da Fiscap (entidade de fiscalização das atividades de pesca) e Sigá Batista, capitão dos Portos de Bissau, confirmaram a captura das pirogas senegalesas, mas ambos lamentaram as circunstâncias da operação.

Além de terem entrado de forma ilegal no território guineense, sem o conhecimento dos serviços de emigração, os senegaleses estavam a pescar com redes não autorizadas, explicou o coordenador da Fiscap.

Segundo Fambé, na fuga das quatro pirogas para o Senegal, os pescadores daquele país levaram um agente da Guarda Nacional da Guiné-Bissau "que fizeram refém".

O responsável guineense indicou ter já informações em como o militar se encontra "são e salvo num hotel de Dacar" depois de ter sido posto em liberdade pelos pescadores.

"Levaram o nosso militar com a nossa arma e a nossa farda, o que não podemos admitir", disse, visivelmente irritado, o coordenador da Fiscap.

Mário Fambé espera que as autoridades políticas guineenses tomem "as medidas necessárias" para fazer ver ao Senegal que situações do género não podem voltar a acontecer.

Hoje de manhã foram apresentadas aos jornalistas sete embarcações da pesca artesanal apreendidas, mas o coordenador da Fiscap acredita que as quatro que fugiram para o Senegal serão repatriadas pelas autoridades de Dacar "para que paguem a multa" ao Estado guineense.

Fambé lamentou as condições em que os elementos da fiscalização se fazem ao mar para o combate à pirataria, salientando que enquanto nos outros países as operações são feitas com helicópteros, aviões e barcos na Guiné-Bissau, disse, são realizadas "com pequenas embarcações".

A Guiné-Bissau e o Senegal têm um acordo que permite que pescadores artesanais operem nas águas guineenses a bordo de pirogas equipadas com motores fora de bordo.

Mário Fambé afirma que esse tipo de pesca "é mais prejudicial" aos recursos haliêuticos em comparação com a pesca industrial.

O capitão dos Portos de Bissau, Sigá Batista, considerou que a costa marítima da Guiné-Bissau "é aliciante" para pescadores de quase todos os países da Africa Ocidental, "talvez por saberem que não há vigilância apertada", disse.

Para Sigá Batista, é incompreensível que todos os dispositivos de fiscalização das águas guineenses se encontrem na terra firme, quando deviam estar na zona insular do país, observou.

"O nosso mar está aberto e vulnerável à pirataria", notou o capitão dos Portos de Bissau, referindo que há gente em Bissau a avisar os pescadores infratores no mar de cada vez que a fiscalização se faz às águas.


Sigá Batista afirmou que se houvesse meios os fiscalizadores podiam ter trazido "cem pirogas" em vez de sete. Com a Lusa

domingo, 16 de julho de 2017

Historiadores defendem que Portugal deve pedir desculpa por tráfico de escravos

Os líderes políticos portugueses devem pedir desculpa pelo papel do país no tráfico de escravos e incentivar uma discussão sobre o tema na sociedade portuguesa, defendem especialistas americanos ouvidos pela Lusa.

"O facto de que vários países decidiram que era importante fazê-lo sugere uma nova norma que merece reflexão. Do meu ponto de vista, um reconhecimento do passado contribui para um sentimento coletivo de reconhecimento de desumanidades do passado", disse à Lusa Walter Hawthorne, da Universidade de Michigan.

"O apoio do estado para estas iniciativas pode galvanizar a investigação e ajudar a informar melhor o público", explicou à Lusa Christopher Brown, professor da Universidade de Columbia, em Nova Iorque.
Para o docente, este impacto ficou evidente com o Museu de história Afro-Americana, uma iniciativa do presidente George W. Bush, autorizada pelo Congresso, que inaugurou em Washington no ano passado e foi o primeiro espaço na capital dos EUA dedicado à história dos afro-americanos.

Brown acredita que quando um líder político fala sobre estes temas "leva a história a uma audiência muito mais ampla do que os académicos alguma vez conseguiriam e desperta a curiosidade de todos aqueles que nem tinham pensado sobre isso antes."

"Por isso, sim, a liderança política pode fazer uma grande diferença, sobretudo se acompanhada por um apoio do estado para melhorar o conhecimento e compreensão sobre o tema", conclui.

Em abril, o presidente Marcelo Rebelo de Sousa visitou a ilha de Gorée, no Senegal, e disse que o poder político português reconheceu a injustiça da escravatura quando a aboliu em parte do seu território, "pela mão do Marquês de Pombal, em 1761".

As declarações foram feitas no mesmo local em que, anos antes, o Papa João Paulo II pediu perdão pela escravatura.

A decisão de Rebelo de Sousa trouxe para a opinião pública uma discussão que até então estava praticamente reduzido à academia.

Walter Hawthorne, autor de livros como "From Africa to Brazil: Culture, Identity, and an Atlantic Slave Trade 1600-1830", acredita que "um pedido de desculpas deve focar-se numa ação, com reconhecimento das consequências, e terminar com uma ação corretiva", como a criação de um museu ou um centro de investigação.

"Um pedido de desculpas ajudaria os 5.8 milhões de africanos tornados escravos e embarcados em navios com a bandeira de Portugal? Ajudaria aqueles que foram mortos em guerras causadas pelo tráfico de escravos? Por aqueles que sofreram há centenas de anos? Não, mas seria um passo em frente para melhorar a relação hoje em dia entre pessoas com cores diferentes", defende.

"Grandes pessoas pedem desculpas e tornam-se melhores pessoas. Grandes países cometeram atrocidades. Grandes países pedem desculpa. Quando os seus líderes tomam essa ação, elevam os seus países", acrescenta.

Hawthorne cresceu no sul dos EUA, um território marcado pela escravatura, e diz que conhece "bem as atrocidades que foram cometidas e a ligação que existe entre o tráfico de escravos no atlântico e racismo, desigualdades globais em termos monetários, educação, emprego, saúde e muito mais."

"As atrocidades dos meus antepassados devem ser reconhecidas e discutidas para que todos possamos curar. Claro que os líderes políticos são centrais para esta discussão. Devem liderar. Mas quando eles falham, devemos atuar sem eles", explica.

O especialista acredita que os académicos portugueses têm feito esse trabalho, com alguns dos melhores meios disponíveis em todo o mundo, e que por isso a discussão em Portugal vai continuar, com ou sem liderança política.


"Portugal acolhe coleções de arquivos incríveis e bibliotecas que iluminam a história da escravatura. Nas suas universidades, encontram-se alguns dos melhores historiadores da área, pessoas que dedicaram a sua vida a escrever livros e artigos para envolver o público nestas importantes, mas distantes, discussões", conclui. Com o Diário de Noticias
 

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Trump, Merkel, Macron e Francisco. Sobre a Europa

Por, Anselmo Borges no Diário de Notícias

1. Há uns versos famosos de Hölderlin que dizem assim: "Wo Gefahr ist, da/ Wächst das Retttende auch." Traduzidos: onde está o perigo, aí cresce também o que salva.

É verdade. A tomada de consciência do perigo leva a reunir vontades e forças para desviar e vencer as ameaças. A não ser que se seja completamente inconsciente, não se fica de braços atados, à espera de que o perigo tome conta da situação e tudo possa afundar-se.

2. Da primeira vez que o Presidente Trump chegou à Europa foi claro: que os europeus não contassem muito, para a sua defesa, com o guarda-chuva americano. Os europeus tinham de contar, antes de mais, com eles próprios e pagar a sua defesa. Aí, percebeu-se bem que das duas, uma: ou os europeus têm consciência da sua identidade, dos seus valores, do seu futuro, e estão decididos a defendê-los, porque vale a pena, ou acontece o pior: já não há essa consciência nem essa força, e o futuro deixa de existir.

3. Merkel viu claramente e foi dizendo que os europeus estão agora entregues a si mesmos e têm de defender-se a si próprios. E os mais lúcidos começaram a aprofundar a ideia de que não haverá autêntica União Europeia sem um exército europeu, com todos os custos e sacrifícios.

4. Macron chegou, com todo o seu vigor político e novos horizontes. Também ele pensa e quer que haja mais Europa, mais integração europeia, uma nova Europa. Seria uma perda irreparável para o mundo, num mundo globalizado, o desaparecimento da Europa, pois ela tem contributos essenciais a dar, como a consciência da dignidade das pessoas humana, a tolerância, o humanismo, a consciência dos direitos humanos nas suas várias gerações. O eixo Paris-Berlim tem de aprofundar-se e adquirir mais consistência, o que é fundamental para a própria Alemanha, pois esta pode ser grande na Europa, mas, sem união, torna-se pequena e insignificante num mundo globalizado.

Macron tem a seu favor ter sido também assistente universitário de um dos mais significativos filósofos do século XX, Paul Ricoeur. E certamente encontrarão eco no seu pensar as ideias do seu mestre, expressas numa entrevista de 1997, recentemente publicada pela Philosophie Magazine: "Estamos em guerra económica. É um problema muito perturbador, sobre o qual nunca tinha dito nada. É hoje o problema de toda a Europa ocidental. Onde, para sobrevivermos, devemos manter uma ética e uma política da solidariedade. O combate a travar tem duas frentes: por um lado, as nossas economias têm de permanecer competitivas; por outro, não podem perder a alma - o seu sentido da redistribuição e da justiça social. Um problema enorme, quase tão difícil de resolver como a quadratura do círculo...

Ainda não acabámos com a herança da violência e da última guerra. Nem com a dureza e a brutalidade do sistema capitalista, que deu KO ao comunismo, ficando sem rival. É hoje a única técnica de produção de riqueza, mas com um custo humano exorbitante. As desigualdades, as exclusões são insuportáveis.

Estou um pouco tentado por uma solução que se poderia dizer cínica. Pode causar-lhe espanto da minha parte, mas, enquanto este sistema não tiver produzido efeitos insuportáveis para um grande número, continuará o seu caminho, pois não tem rival... Penso que vamos conhecer na Europa Ocidental uma travessia no deserto extremamente dura. Porque já não somos capazes de pagar o preço que os mais pobres do que nós pagam. A ascensão das jovens economias asiáticas, concretamente a da China, supõe um custo que seremos incapazes de suportar. Não só não queremos isso, mas não devemos fazê-lo. Não vamos voltar aos tempos do trabalho infantil!... É por isso que eu sou tão fortemente pró-europeu; só uma economia de grande dimensão permitirá à Europa sair disto."

5. Embora não veja claro sobre o como, há muito que penso não ver futuro para a Europa sem estruturas políticas federativas. Daí ter-me dado especial contentamento a entrevista que o Papa Francisco deu na semana passada ao jornal italiano La Repubblica, no contexto da cimeira do G20 em Hamburgo. Francisco disse a Eugenio Scalfari estar muito preocupado com a reunião do G20: "Temo que haja alianças muito perigosas entre potências que têm uma visão distorcida do mundo: América e Rússia, China e Coreia do Norte, Rússia e Assad na guerra da Síria." Qual é o perigo destas alianças? "O perigo diz respeito à imigração. O problema principal e crescente no mundo de hoje é o dos pobres, dos débeis, dos excluídos, dos quais os emigrantes fazem parte. Por outro lado, há países onde a maioria dos pobres não provém das correntes migratórias, mas das calamidades sociais daquele país; noutros países, porém, há poucos pobres locais, mas temem a invasão dos imigrantes. Eis a razão por que o G20 me preocupa."


À pergunta sobre se a mobilidade dos povos está em aumento, pobres ou não pobres, respondeu: "Não haja ilusões: os povos pobres são atraídos pelos continentes e países ricos. Sobretudo pela Europa." É também por esta razão que se deve concluir que "a Europa deve assumir o mais rapidamente possível uma estrutura federal, sendo as leis e os comportamentos políticos subsequentes decididos pelo governo federal e pelo Parlamento federal e não pelos países singulares confederados?", perguntou Scalfari. E Francisco, que já várias vezes levantou a questão, até quando falou no Parlamento europeu: "É verdade que sim." Foi muito aplaudido e recebeu mesmo ovações por essa afirmação no sentido do federalismo. "É verdade. Mas, infelizmente, isso significa bem pouco. Fá-lo-ão, se se derem conta de uma verdade: ou a Europa se torna uma comunidade federal ou não contará nada no mundo."

Jesus aos discípulos: Felizes os vossos olhos e ouvidos

Jesus declara felizes os discípulos que prestam atenção ao que ele diz e faz. Mateus narra a parábola da semente, do campo e do semeador em que, de forma sapiencial, apresenta as disposições de quem ouve a Palavra de Deus e as atitudes consequentes que toma. Faz uma espécie de retrato exemplar que serve de referência para todos os tempos. Especialmente para o nosso em que tantos “sons e tons” se repercutem nos ouvidos e invadem o coração. Realmente Deus corre um grande risco ao confiar a sorte da sua Palavra à liberdade humana, pronta para um generoso sim, mas capaz de dizer não: um não rotundo ou condicionado e mesmo adiado. Daí, a nossa responsabilidade pessoal e, tendo funções educativas, sociais e comunitárias.

Jesus está em missão na zona do Mar de Tiberríades. O seu estilo de vida e a sua linguagem tinham tal novidade que as multidões acorriam a ouvi-lo. Chegavam a “apertá-lo” tanto que teve de recorrer a novos espaços e a servir-se de meios diferentes, É o caso da barca que se distancia da margem como refere a leitura da liturgia de hoje (Mt 13, 1- 23). Olhando as pessoas de frente, senta-se e começa o seu ensinamento sobre o “sonho de Deus”, a novidade do Reino, o sentido do que está a acontecer e que diz respeito a todos e a cada um. E como bom comunicador, conta a parábola da semente e do que ela envolve. Usa uma linguagem acessível, assertiva, interpelante, respeitosa, passível de ser interpretada de vários modos, apesar da sua clareza. A narração deixa ver “em pano de fundo” o agir do próprio Jesus e da reacção dos seus ouvintes nas diversas atitudes bem espelhadas nas diferentes qualidades da terra onde cai a semente: O caminho árido e sem húmus, os sítios pedregosos sem recursos ou com espinhos sufocantes, a terra boa e produtiva. Retoma a tradição profética da metáfora de Isaías, hoje proclamada, em que a palavra é como a chuva e a neve que descem do céu e realizam a sua missão, fecundando a terra.

Jesus, ao ver a preocupação dos discípulos em captarem todo o alcance da parábola, exclama: “Felizes os vossos olhos porque vêem e os vossos ouvidos porque ouvem!” E dá-lhes uma explicação exemplar. Centra a atenção em quem acolhe a semente, a Palavra. Realça a importância de cultivar as disposições adequadas, deixando o elenco de outras menos indicadas. O caminho é metáfora do coração árido, indiferente ao que acontece, satisfeito com o seu mundo de acomodação aburguesada. Os sítios pedregosos não têm profundidade suficiente para garantir o vigor das raízes da semente; por isso espelham as pessoas inconstantes e exibicionistas, que reagem com entusiasmo e alegria, mas desistem “sem pena nem glória” à primeira contrariedade. Os espinhos do silvado deixam germinar e crescer a semente, mas acabam por a sufocar e secar, tais as feridas da vida, os cuidados do imediato, as seduções da riqueza, do consumo e do prestígio. E ficam “congeladas” as calorosas aspirações do coração humano em que “encaixa” bem o “sonho de Deus”. A terra boa é o símbolo de quem está disponível para acolher e pronto para corresponder à Palavra escutada. Como Maria de Nazaré, a mãe de Jesus, a mulher do diálogo esclarecedor que liberta de receios e abre espaço à cooperação responsável. Como nós, certamente.

O vigor da semente, a palavra, está condicionado pelo exercício da liberdade humana. “Estamos chamados a ser «terra boa». É urgente. O «sonho de Deus» pode diluir-se… É o preço que Deus paga pela liberdade humana… Escutar a Palavra do Reino e entendê-la é escutar a chamada interior que nos pergunta pela nossa responsabilidade no mundo que estamos a construir e sobre o nosso modo de nos realizarmos como pessoas”, afirma Gutierrez de la Serna, na revista “Homilética”. E, no desejo de ajudar o leitor a sintonizar cada vez mais com o ritmo indicado, deixa-nos pistas indicativas muito úteis. Mencionam-se algumas: “Cultivo-me como pessoa humana em toda a riqueza e dignidade? Preocupa-me o “sonho de Deus” para este mundo ou só penso em mim? Pensando no futuro dos nossos filhos (e netos)…, preocupa-me a educação em valores e para os valores? Preocupa-me o futuro do nosso planeta e da possibilidade futura da vida? Escuto a palavra de Deus, procuro entendê-la e pô-la em prática? Sou realmente “terra boa”?


A novidade de Jesus passa pela nossa felicidade, pela nossa liberdade, pela cooperação solidária, pela coerência de atitudes. Que alegria e responsabilidade!